Design inclusivo: veja a importância de mudar seus conceitos

Diversidade é uma palavra que, nos últimos tempos, entrou na moda em diversos nichos de mercado. Entretanto, mais do que isso, aos poucos ela passa também a ser cada vez mais entendida em sua real importância.

Design inclusivo: veja a importância de mudar seus conceitos | E-goi

Os mais diferentes profissionais precisam considerá-la em seus produtos e serviços, sejam eles digitais ou não. Nesse contexto, o design inclusivo deixa de ser uma tendência para se tornar uma necessidade de quem quer engajar e fidelizar seu público. 

Neste artigo, abordamos a fundo o conceito do design inclusivo, explicamos sua real importância e apresentamos quais são os principais desafios que ainda precisam ser superados. Continue a leitura até o fim e confira!

O que é o design inclusivo e qual a sua importância?

Também conhecido como design universal ou total, o design inclusivo é aquele destinado a todos, sem exceções. Para usá-lo, é preciso considerar desde o início do processo criativo que a população jovem e saudável é só parte de um possível público-alvo.

Diferentes aspectos devem ser repensados para incluir não só pessoas com alguma deficiência — que inclusive pode ser algo temporário —, mas também idosos e estrangeiros (que não dominam um idioma fluentemente, por exemplo). Dessa forma, o design inclusivo vai além de garantir a acessibilidade e precisa estar presente em diversas esferas do nosso cotidiano, não só na arquitetura.

Calendario Marketing E-goi

O que impede gamers cegos de serem um sucesso nesse ramo? Como fazer com que pessoas com deficiência auditiva se envolvam no mundo da música? Ou, ainda: de que forma o design faz com que esses indivíduos utilizem os produtos ou serviços que você desenvolve como quaisquer outros?

Assim, é possível concluir que o maior objetivo do design inclusivo é criar uma sociedade mais justa, acessível e igualitária. Segundo a Unesco, 24% dos brasileiros vivem com algum tipo de deficiência. Juntamente ao envelhecimento da população, esse dado merece atenção e pressupõe a necessidade de uma mudança de paradigma do mercado.

Quais são os principais desafios do design inclusivo?

Possibilitar e estimular o convívio e a autonomia de pessoas com deficiência em qualquer espaço são as principais metas do design inclusivo. Segundo a Reatech (Feira Internacional de Tecnologias em Reabilitação, Inclusão e Acessibilidade), esse mercado se mantém em crescimento estável desde 2002, quase não sofrendo os impactos da crise econômica.

Porém, alguns desafios ainda precisam ser vencidos para a definitiva adoção do pensamento inclusivo em todas as esferas do design. Conheça alguns deles a seguir.

Mudança de mentalidade

A primeira mudança de perspectiva necessária a todos os profissionais do design é entender que as incapacidades das pessoas com deficiência são projetadas. Ou seja: trata-se mais de uma limitação do ambiente, dos objetos e dos produtos à disposição do que delas mesmas. 

Assim, em vez de pensar na acessibilidade, é interessante traçar o projeto tendo em mente diferentes habilidades e como padronizar produtos de acordo com o máximo de pessoas possível.

Real compreensão do público-alvo

Você já deve ter se deparado tanto com o termo persona quanto com a expressão público-alvo. Ambos buscam retratar o cliente, porém com diferentes níveis de detalhamento. Vale lembrar que ninguém está imune de vir a necessitar das ferramentas de inclusão para usar dado produto ou serviço, seja de forma temporária ou por conta do envelhecimento natural.

Portanto, uma maior noção do “problema” a ser resolvido se faz necessária. Assim, ao pensar o design inclusivo, uma nova camada de empatia precisa ser conquistada e trabalhada.

Oportunidades do mercado

Atualmente, o design inclusivo está muito relacionado ao trabalho desenvolvido por ONGs, sendo majoritariamente voltado aos campos da Medicina e da reabilitação. Todas essas iniciativas são válidas, mas é necessário cada vez mais trazê-las ao cotidiano e também incluí-las aos meios digitais.

Os profissionais do design precisam compreender a importância de não deixar parcelas da sociedade de fora dos projetos desenvolvidos — a exemplos das pessoas deficientes —, assim como de considerar o envelhecimento da população mundial e o desenvolvimento sustentável.

Criação de algo simples e intuitivo

Criar algo fácil de ser compreendido, que se utilize de símbolos e cores amplamente difundidos, aumenta as chances de um design ser realmente universal. Tenha como parâmetro situações de emergência que, por conta do nível de complexidade, acabem limitando o uso a crianças, estrangeiros ou pessoas com algum tipo de deficiência. Assim, você conseguirá contornar esses problemas da melhor forma possível.

Uso equitativo

Projetar algo de uso equitativo corresponde a criar um item comercializável a pessoas com diferentes habilidades. As portas automáticas dos supermercados podem ser um bom exemplo. Ao mesmo tempo em que facilitam a utilização por parte das pessoas que têm as mãos ocupadas, também são inclusivas a cadeirantes e idosos.

Experiência com incapacidades

A empatia novamente se mostra relevante ao efetivo alcance do design total. É preciso levar em conta limitações permanentes (pessoas com deficiência), temporárias (alguém que quebrou um membro e precisou engessá-lo) ou efêmeras (indivíduos com mãos ou braços ocupados, que não podem ser utilizados).

Flexibilidade no uso

Além de considerar as habilidades e limitações únicas dos indivíduos, o design universal deve respeitar o ritmo de cada usuário. É necessário oferecer diferentes possibilidades de utilização, de forma a ponderar não só preferências, mas também habilidades que são próprias de cada pessoa.

Trata-se de nada mais do que uma maneira de democratizar diferentes produtos e serviços, fazendo com que eles se tornem acessíveis e úteis à maior gama possível de usuários. O design universal é aquele que não requer adaptações ou ajustes para que diferentes pessoas, com distintas habilidades ou limitações, possam utilizar determinado item.

No entanto, uma mudança de postura é primordial para que isso aconteça — e o design inclusivo precisa ser considerado desde o início da execução de um projeto. As novas exigências do mercado e a necessidade de inclusão e diversidade são só alguns dos motivos pelos quais essa nova mentalidade se faz necessária.

Gostou deste artigo? Esperamos que nossas dicas tenham sido úteis para você. Aproveite a visita ao blog e confira também um guia completo para estruturar sua estratégia de marketing digital!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.